Evidência da Medicina Tradicional Chinesa na Saúde Humana nos Tempos Modernos


Evidência da Medicina Tradicional Chinesa na Saúde Humana nos Tempos Modernos por Ana Maria Varela e José Faro

in Burguete et al. (2020) “Knowledge & Society Through Science Matters & Universities”, Lisboa: Science Matters Press, pp. 211-232.

 

A Medicina Tradicional Chinesa (MTC) representa milhares de anos de experiência fértil e valiosa de actividades promotoras de saúde, cuja teoria continua a dar um contributo importante para o desenvolvimento da China e para a saúde da humanidade. A MTC é uma cultura científica e humanista. Não é uma ciência natural simples, nem uma ciência humanista simples, mas uma combinação das duas.

A MTC evoluiu como um sistema de prática médica baseado em conceitos axiomáticos de cariz funcional, bem comprovados pela experiência, que ligam o homem à natureza e às suas características dialécticas. Não inclui protocolos de tratamento padrão, específicos para cada patologia “ocidental”, mas iguais para todos os diferentes pacientes. A prática clínica da MTC é uma abordagem holística complexa, mas personalizada na sua aplicação, sempre em ajustamento cognitivo às particularidades do paciente e do seu contexto, baseando-se nos conceitos de Dialéctica e de “Diferenciação de Síndromas”.

Esta apresentação irá discutir alguns factos sobre o processo histórico, social e científico da MTC nos tempos científicos modernos, e a sua contribuição para uma compreensão mais profunda das diferentes experiências culturais e abordagens das Ciências Humanas, Sociais e Médicas.

Na primeira parte, o conceito de evidência da MTC nos seus diferentes aspectos – humano, histórico, social e científico – será abordado tendo em conta a forma como se está a desenvolver no actual período da história da MTC. Na segunda parte, o objectivo é lançar uma luz sobre a contribuição da MTC para a Ciência moderna e quais os desafios que esta apresenta para o seu desenvolvimento.

1. Introdução

Na comunidade médica moderna e, nomeadamente, nas ciências relacionadas com a saúde, existe uma pressão constante para aumentar a qualidade da investigação, que justifica e mede a eficácia das decisões tomadas pelos profissionais. A importância deste assunto, na prática clínica actual, iniciou-se com a chamada de atenção dada pela investigação de Archie Cochrane (1971) para a falta de padronização dos cuidados médicos e a não utilização de dados de investigação nas decisões clínicas (Cochrane A. 1971). Na sequência destes trabalhos epidemiológicos, os clínicos são aconselhados a: avaliar criticamente a melhor evidência hierárquica disponível para uma patologia real; aplicar os resultados judiciosamente a cada paciente; substituir a medicina baseada na ciência básica (Fisiopatologia), experiência pessoal e autoridade dos pares pela hierarquia de provas e directrizes da medicina baseada na evidência.

Desta chamada de atenção nasceu o movimento da medicina baseada na evidência (Grupo de Trabalho 1992; David L Sackeit, 1996) o movimento da prática baseada na evidência (Briggs & Rzepnicki, 2004; Brownson et al., 2002; Dawes et al., 1999; Dobson & Craig, 1998a, 1998b; Gilgun, 2005; Roberts & Yeager, 2004; Sackett et al., 2000) e a tomada de decisão em política pública com base na evidência analisada por McCaughey e Bruning (2010).

Apesar dos trinta anos de desenvolvimento do movimento da evidência, poucas decisões em matéria clínica, social, educacional e de política pública seguem as suas indicações. Na medicina, o Nível A (Strength of Recommendations Taxonomy), baseado em ensaios clínicos aleatórios controlados (RCT) e revisões sistemáticas justifica, apenas, 18% das decisões tomadas em cuidados primários de saúde, enquanto aproximadamente metade se baseia na opinião de peritos, cuidados habituais ou evidência orientada para a doença (Nível C) (Ebell M.H. et al. 2017).

Para além disso, as Terapêuticas não Convencionais (TNC-designação legal portuguesa) ou as Medicinas Tradicionais e Complementares (TCM-designação actual da WHO,2019) que apresentam um Nível C (Health Evidence Scale, 2012, escala adoptada pela Direcção Geral de Saúde, DGS), são escolhidos por um número crescente de cidadãos europeus, incluindo os portugueses. Garrow J.S. (2007) assinalou que 15-20% do público no Reino Unido acede anualmente às TCM.

O presente estudo procura dar uma resposta às seguintes questões:

  • O que é a evidência no passado e no presente? Qual é a estrutura comum da evidência em diferentes ramos do conhecimento?
  • Qual é a relação entre a ciência e a evidência
  • Como é que a evidência se desenvolveu na medicina?
  • E o que é a evidência na Medicina Tradicional Chinesa?

2. O que é a Evidência?

A palavra evidência tem a sua origem na palavra latina evidentia (clareza, visibilidade) que expressa a qualidade ou condição do que se torna visível e se manifesta do interior para o exterior (prefixo ex-, de um interior para um exterior). A palavra é formada a partir do verbo videre (ver). Para Aristóteles, a evidência é a característica própria do conhecimento no seu máximo grau, ou seja, do conhecimento alcançado pelo intelecto intuitivo. Para Descartes e para os cartesianos, a evidência corresponde à realização de uma verdade que não levanta dúvidas, devido ao grau de clareza e distinção com que se apresenta ao espírito.

O apelo à evidência tem, no início, um papel inegável na matemática e foi mais tarde assumido por alguns filósofos como o critério geral da verdade. Contudo, a definição de evidência de Descartes, apresentada na primeira regra do seu “Discurso do Método” é hoje rejeitada por ser subjectiva, diferente de indivíduo para indivíduo. Esta rejeição corresponde também a uma crise de evidência em matemática no século XIX devido à descoberta da geometria não-euclidiana. Esta descoberta demonstrou que é possível aceitar postulados não baseados na intuição mas como resultado de um acto de vontade, uma convenção.

Hoje em dia, na Ciência, não existe verdade absoluta ou evidência, mas sim verdade relativa e evidência definida dentro de paradigmas bem estruturados. A Ciência só pode providenciar verdades relativas, sempre parciais e sempre passíveis de revisão. Ainda que esta verdade relativa e esta evidência sejam sempre dinâmicas, para que possam ser falsificadas, enriquecidas, transformadas e possam também ser um ponto de partida para novas observações da realidade (Geymonat L. 1985).

2.1 Qual é a estrutura da evidência?

A estrutura da evidência em diferentes campos tem três fases principais: A fase de observação e interpretação da realidade; a fase de discussão comunitária e de decisões sobre a evidência e a fase do estabelecimento da fiabilidade da evidência de acordo com as indicações dos peritos.

Na primeira fase, há uma observação e interpretação da Realidade. Esta interpretação necessita; a) um sistema teórico anterior sem o qual os dados da observação não poderiam ser compreendidos em toda a extensão do seu significado e b) um método para operar no mesmo. A Ciência pode ser vista como uma ferramenta cognitiva para operar na Realidade porque:

  • É um processo onde o sujeito individual não é totalmente independente;
  • Não utiliza sempre os mesmos instrumentos técnicos ou categorias a priori;
  • Não se fixa numa representação da realidade, mas é dinâmica e dialéctica (adaptado de Geymonat L. 1985).

Portanto, a Ciência é um instrumento de conhecimento gradual da realidade dos fenómenos. A realidade como fenómeno significa que ela não transcende o mundo da experiência. Neste processo, existe um carácter dinâmico do conhecimento científico que se manifesta ao longo de duas linhas de orientação:

  • A aquisição permanente de novos dados (obtidos por técnicas de observação cada vez mais complexas e refinadas)
  • O aprofundamento dos resultados anteriormente obtidos, principalmente o resultado da elaboração teórica, um novo enquadramento dos antigos conceitos e novos modelos.

Tudo isto afecta a fase de observação e interpretação da estrutura da evidência, reflectindo o processo dialéctico entre a experiência e os modelos teóricos.

Na segunda fase, a evidência, nos tempos modernos, necessita da contribuição de uma comunidade de discussão para partilhar resultados ou para estabelecer directrizes ou indicações.

Existe uma terceira fase quando há necessidade de estabelecer leis ou regulamentos relacionados com a fiabilidade da evidência nas tomadas de decisões em saúde.

2.2 Conceito de especialização e especialismo

A ciência e a evidência reflectem também o movimento de especialização da investigação científica. Esta especialização dá ao investigador a possibilidade de uma rápida aprendizagem das técnicas aplicadas ao seu campo de prática. E, portanto, de tirar imediatamente partido do trabalho de investigação sem grande perda de energia. Por outro lado, com a especialização, é também criada uma nova linguagem cada vez mais especializada. A tecnicidade e a especialização das linguagens são duas características importantes do desenvolvimento da ciência nos séculos XIX, XX e XXI.

Contudo, esta especialização no domínio da Saúde pode resultar em especialismo, uma ideologia com quatro problemas principais:

  1.  O encerramento dos cientistas na sua disciplina com mais dificuldade em abraçar a realidade e a sua vasta gama de factores que contribuem para a saúde individual e colectiva.
  2.  A utilização da própria ciência, ou do processo cognitivo que opera na realidade de uma forma cada vez mais estreita, com mais erros de raciocínio e imaturidade no processo de pensamento.
  3. Com o especialismo, a ciência afastou-se da cultura, intrinsecamente ligada à filosofia, a cultura separou-se da ciência, ou seja, torna-se uma cultura de carácter antigo, insensível às exigências do nosso tempo. De acordo com Elio Vittorini (citado por Geymonat, 1985) a cultura baseia-se sempre na ciência, contem a ciência, mas quando a ciência se fecha sobre o seu próprio especialismo e se recusa a ter uma ligação séria com os problemas reais, não impulsiona a cultura.
  4. Finalmente, a última consequência que resulta da anterior é que a ciência em vez de impulsionar a cultura e a humanidade separa o homem da sua consciência de bem-estar, um promotor fundamental da sua própria saúde.

Se a ciência se fecha numa realidade particular, perdendo a sua ligação à cultura, a evidência segue este especialismo. O problema não é a especialização, mas o especialismo. A especialização não perde a ligação à cultura nem ao lado humano e ao indivíduo global, e, neste caso, a evidência é determinada pela comunidade de especialistas num determinado paradigma. Se há especialismo, há uma ideologia que não olha para a condição ou paradigma individual e estabelece uma hierarquia geral de evidência que determina, por exemplo, que o RCT (um nível de evidência da literatura de investigação) é o melhor e único critério de graduação aceite para a evidência numa decisão em saúde e que as TCM têm de ser banidas do Sistema de Saúde e da humanidade. Esta posição é semelhante ao Cepticismo no século XVIII.

3. Qual é a relação da Ciência com a Evidência?

É importante esclarecer que a ciência é diferente da evidência. A ciência é uma ferramenta cognitiva, dinâmica e operacional para interpretar a realidade e a evidência é uma declaração de tomada de decisão por uma comunidade, baseada num sistema teórico de um paradigma estabelecido.

3.1 O que é a evidência na Ciência?

Os quatro pilares fundamentais da ciência são Hipótese, Experimentação, Verificação e Universalidade. O método científico é intrínseco à raça humana e ao seu desejo de aprendizagem. A natureza e o contexto do problema e o cálculo do erro associado à sua universalidade é o que requer métodos mais precisos.

A evidência resulta do confronto entre a hipótese e a verificação. Na Medicina e na MTC, este confronto deve ser feito em contexto clínico pelo médico tendo em conta as melhores evidências disponíveis e os desejos e valores do paciente.

3.2 Quais são os desafios para a evidência na Ciência?

Contudo, o pilar 4 é na realidade a chave se entendermos “universalidade” como “coerência universal”. A ciência ocidental sempre afirmou progredir como 1, 2, 3 (nessa ordem), mas de facto o 4 é o conceito mais importante e o que conduz às maiores dificuldades da ciência ocidental (Connerade, J-P, 2019). Assim, a física moderna (depois de muito 1,2,3) chegou basicamente a duas teorias. Uma, que se chama Teoria Quântica (principalmente para sistemas pequenos ou ‘microscópicos’) e a outra que se chama Relatividade (principalmente para sistemas grandes, de que é exemplo a astronomia). Ambas as teorias satisfazem muito bem o 1,2,3 dentro das suas próprias e respectivas esferas, mas não concordam, realmente, uma com a outra, especialmente no que diz respeito à descrição do espaço em que vivemos. De acordo com a Relatividade, Espaço e Tempo juntos formam uma entidade única, dentro da qual tudo é contínuo e suave. De acordo com a Mecânica Quântica, o tempo é diferente do espaço: não devem ser confundidos, e o espaço no qual vivemos não é contínuo ou suave, mas apresenta um comportamento “quântico”. Se considerarmos a física como uma ciência “exacta” e a máxima conquista da forma ocidental de pensamento científico, então temos de admitir que esta abordagem, até agora, falhou no critério número 4 de ser universalmente aplicável e coerente. Esta foi a substância, na opinião da Connerade J-P. (2019) para se abrir o caminho à consideração da abordagem oriental em qualquer tipo de ciência.

A estratégia 1, 2, 3 precedida ou seguida por 4 aplica-se realmente a sistemas bastante simples, razão pela qual a física ocidental se concentrou na explicação de situações “simples”. Por conseguinte, foi uma surpresa para muitos quando o teórico francês Henri Poincaré, em 1894, mostrou que um sistema anteriormente pensado como ‘simples’ constituído apenas por três corpos, é de facto caótico. Um sistema caótico é aquele que não é totalmente previsível: mesmo que as suas condições iniciais sejam bem conhecidas, a sua evolução no tempo torna- se tão sensível que se perde o controlo sobre o seu rumo. Se as previsões não puderem ser feitas com precisão, então, eventualmente, a hipótese não pode ser verdadeiramente verificada, pelo que este é outro problema interno da abordagem ocidental descrita.

Na medida em que o corpo humano é um sistema MUITO complexo, a medicina entra num campo onde uma verificação completa é difícil de imaginar e isto levou à necessidade de uma abordagem probabilística ou estatística. Mas os instrumentos ocidentais, juntamente com a sua tendência tradicional de isolar uma única molécula e doseá-la como “cura” para uma única condição, estão de facto a utilizar um instrumento filosófico bastante contundente como quadro conceptual. Na prática, os médicos consideram que cada paciente pode precisar de uma dose diferente e de uma abordagem multidisciplinar (de facto, foi discutida a diferença entre testar em homens e testar em mulheres para a determinação da dose ideal, o que a farmacologia ocidental, por exemplo, não tomou realmente em consideração).

Assim, parece claro que a lógica do método científico precisa de evoluir de modo a reflectir melhor o que é eficaz em todas as ciências. Isto é provavelmente mais aparente na medicina, como se observa, e é sem dúvida a consequência da complexidade do corpo humano. Dito isto, existem algumas condições (arteriosclerose, por exemplo) em que uma única “causa” pode ser isolada mesmo num sistema complexo. Mas na maior parte das condições de saúde é importante ter um diálogo entre as duas abordagens, oriental e ocidental, para encontrar as melhores soluções porque a abordagem oriental integra as abordagens micro e macro no seu sistema teórico.

4. Como é que a evidência se desenvolveu na medicina?

A investigação do epidemiologista Archie Cochrane salientou que os cuidados médicos não utilizavam os dados da investigação nas decisões clínicas e que havia uma necessidade urgente de uma padronização dos processos clínicos básicos em todos os sistemas de saúde (Cochrane A. 1971). Cochrane também encoraja os médicos a aplicar as novas tecnologias e os resultados da investigação na sua prática clínica. Após a sua morte foi desenvolvido um enorme sistema de investigação clínica na medicina moderna e uma pressão crescente sobre os clínicos para:

  • Avaliarem criticamente a melhor evidência disponível para a patologia presente em análise.
  • Aplicarem os resultados, judiciosamente, a cada paciente.
  • Substituirem a medicina baseada na ciência básica(fisiopatologia), experiência pessoal e autoridade dos pares pela hierarquia da evidência e pelas directrizes da medicina baseada na evidência.Fig 1- Pirâmide da Qualidade da EvidênciaPara ajudar os médicos a encontrar as melhores evidências para as suas decisões clínicas e informar o paciente e os decisores políticos onde se desenvolveram níveis de força de evidência. No topo da hierarquia probatória está o ensaio controlado randomizado-ECR ou RCT (Fig. 1), no qual um tratamento é comparado com uma alternativa e no qual os pacientes são aleatoriamente atribuídos a um de dois grupos. Seguem-se estudos de acompanhamento, estudos de caso-controlo, relatórios de casos e séries de casos respectivamente como níveis probatórios inferiores, com as opiniões dos peritos bem na base.

A medicina baseada na evidência (MBE) é definida como “a utilização consciente, explícita e judiciosa das melhores evidências actuais na tomada de decisões sobre os cuidados de pacientes individuais”. (Sackett, 1996). A medicina baseada na evidência abriu novas fronteiras a diferentes áreas dentro do sector dos cuidados de saúde, trabalho social e educação, conhecido como movimento de prática baseada na evidência.

Os princípios baseados na evidência também foram aplicados às decisões da Governação da Saúde por um movimento denominado decisão racional na saúde.

Assim, a MBE foi desenvolvida para encorajar os médicos a elaborarem um plano de tratamento baseado numa interpretação crítica da literatura científica e este movimento levou ao desenvolvimento de directrizes por grupos profissionais. Contudo, na década de 90, estas directrizes baseadas no consenso dos profissionais, mudaram para directrizes baseadas em provas estatísticas. Seguidamente os Gestores de Saúde e os Seguros de Saúde começaram a aplicar as directrizes e a desenvolver as suas próprias estruturas de responsabilização. Para além do processo de desenvolvimento, os profissionais não só perderam a sua participação na elaboração das directrizes de evidência, como também passaram a poder ser julgados e a perderem o emprego caso não sigam as directrizes de evidência estabelecidas (Council for Public Health and Society, 2017).

Assim, a MBE afastou-se da prática clínica directa do médico em mais dois modos (Conselho de Saúde Pública e Sociedade, 2017):

  • Primeiro, a MBE é feita por analistas especializados que se concentraram em fazer os RCT e a publicar os resultados. Estes analistas não têm sensibilidade relevante para a prática clínica.
  • Em segundo lugar, a indústria farmacêutica começou a patrocinar muitos dos RCT feitos por estes analistas e a utilizar esta pesquisa, principalmente, para descobrir novos medicamentos.

 

O desenvolvimento da MBE ficou, assim, enclausurado numa grande variedade de interesses e perdeu a luz directora inicial. Após quase quarenta anos de desenvolvimento da MBE, 82% das decisões clínicas baseiam-se na opinião de peritos, nos cuidados habituais ou em provas orientadas para a doença e apenas 18% se baseiam na MBE.

O Council for Public Health and Society of Nederland, em 2017, faz uma declaração muito clara sobre a MBE com o título “No evidence without contexto – Sobre a ilusão da prática baseada na evidência nos cuidados de saúde” e estabelece recomendações muito importantes para deslocar o movimento da MBE para o contexto clínico, devido à importância do contexto específico, do doente e do cenário onde as várias fontes de conhecimento são utilizadas como base para as decisões que são tomadas.

5. O que é a evidência na MTC?

A MTC desenvolveu um sistema teórico inseparável da sua origem sociocultural, da sua longa experiência clínica e, hoje em dia, da influência das ciências naturais e da tecnologia moderna. Este desenvolvimento está também ligado a um profundo respeito, observação e estudo da natureza e do comportamento humano, e a um processo de pensamento sofisticado.

O sistema teórico da MTC baseia-se em três teorias principais: A teoria do monismo, ou Qi primordial; A teoria do Yin Yang; e a teoria dos Cinco Dinamismos.

A Teoria do Qi Primordial sustenta que o Qi (geralmente traduzido como Energia) forma a raiz de todos os fenómenos. O Qi não é uma ilusão vazia, mas percebê-lo depende da capacidade de cada um. É uma substância em constante movimento e em vários graus de concentração e difusão, dando assim origem às duas categorias de fenómenos, com e sem forma.

Não existe um fosso intransponível entre o fenómeno que tem forma e o sem forma, e os dois podem, a qualquer momento, transformar-se no seu oposto. A geração, mudança, fortalecimento e enfraquecimento de qualquer fenómeno está dependente do movimento e transformação do Qi.

A teoria do Yin Yang olha para o desenvolvimento e mudanças no mundo natural como o resultado dinâmico da interacção entre Yin Yang, diametralmente opostos. Cada um destes componentes tem a raiz do outro e é a base da manifestação do outro. É utilizada como metodologia para explicar a estrutura e as actividades vitais do corpo humano – dinamismo (yang) e inércia (yin) – com as suas relações de oposição, interdependência, inter-transformação, aumento e declínio, ressonância e coordenação. A teoria Yin Yang é também um dos principais guias para o processo de diagnóstico e tratamento.

A teoria dos 5 Movimentos divide qualquer fenómeno em cinco tipos diferentes de dinamismo, cada um apresentando as características especiais consideradas inerentes ao seu próprio movimento. As suas relações mútuas de geração, controlo e transformação estão ligadas às outras duas teorias, Qi primordial e YinYang. Juntas, formam um ciclo interminável entre o indivíduo e o mundo natural, um modelo dinâmico holisticamente interligado do mundo fenomenológico, e uma das principais chaves conceptuais para o diagnóstico diferencial específico da MTC.

Originária do processo de pensamento dos chineses ancestrais, a MTC apresenta características especiais no seu processo cognitivo e científico que são, também, inerentes às suas operações sobre a realidade. As suas operações lógicas não são formais, como em Aristóteles, mas dialécticas, como em Heraclitus ou Marx. Este facto conduz à sua visão holística das leis da vida, à diferenciação dialéctica das actividades da vida, ao movimento atribuído às coisas materiais em constante mutação e à inter- relação persistente entre a natureza e a vida social humana. Estas características constituem um paradigma maduro com axiomas e teorias consistentes que atravessam muitas gerações diferentes e mantêm uma coerência conceptual estável e resultados clínicos eficientes. Tem também integrado as descobertas científicas modernas e a evolução técnica nas ciências da saúde.

Este pensamento maduro, que utiliza métodos consistentes de observação e interpretação da realidade, desenvolveu um método consistente de diagnóstico, conhecido como diagnóstico diferencial, que é a base da estratégia terapêutica em Acupunctura, Medicina herbal, Massagem Tuina, Dieta, Chi Kung terapêutico e Tai Chi, e aconselhamento de estilo de vida.

Esta antiga ciência provou ser adequada para impulsionar a cultura e a vida humana durante milhares de anos, com resultados clínicos tão importantes que justificaram a sua prática ininterrupta até hoje.

A sua teoria tem demonstrado uma forte vitalidade na aplicação do seu diagnóstico às doenças comuns modernas, às doenças difíceis e também ao proporcionar processos de pensamento poderosos para a investigação médica futura. As suas vantagens clínicas são também aplicáveis à prevenção de muitas doenças modernas (Wang Qi e Dong Zhi Lin, 1992).

5.1. A estrutura da evidência na Medicina Tradicional Chinesa

A evidência clínica da MTC não diz respeito a uma verdade absoluta ideal, mas a uma verdade relativa devidamente definida dentro de um paradigma dialéctico bem estruturado, neste caso o paradigma da MTC, referindo-se sempre a um contexto clínico particular. Assim, a evidência científica da MTC visa apenas fornecer as melhores verdades relativas, sempre adaptáveis durante a evolução do tratamento, para assegurar um ajustamento dinâmico e oportuno ao contexto clínico do paciente e, como tal, ser capaz de ajudar o paciente real a transformar a sua própria realidade e o dinamismo patológico individualizado da sua doença.

Há outra característica da evidência da MTC: baseia-se num elevado nível de consciência focalizada e numa relação de empatia para com o paciente. Isto significa que a evidência de MTC está principalmente relacionada com o contexto e a realidade do paciente, o que também significa um processo contínuo de actualização da avaliação, de acordo com a aprendizagem mútua e com a melhoria da condição do paciente alcançada em conjunto.

 

Fig 2 – A estrutura da evidência da MTC

Assim podemos dizer que a estrutura da evidência científica da MTC é uma interacção contínua entre quatro referências complementares (Fig.2): os axiomas do paradigma da MTC (central), a fase de observação-interpretação (1-2), a fase de reflexão e discussão (3) e a

aplicação clínica, centrada sempre na resposta do paciente, na escuta do seus valores e impressões, na avaliação e medida das suas respostas funcionais, variáveis, ao tratamento (4), de modo a poder avaliar a evidência própria da MTC e ajustar adequadamente a prática clínica ou os desafios da investigação (5).

Contudo, nos tempos modernos, a fim de estabelecer directrizes para apoiar a decisão em saúde, em todas as sociedades e em diferentes sistemas de saúde, a OMS desenvolveu uma definição de evidência que é diferente e tem implicações nas Medicinas Tradicionais (MT) em geral.

De acordo com a OMS “A evidência diz respeito a factos (reais ou declarados) destinados a serem utilizados para apoiar uma conclusão”.

Um facto, por sua vez, é algo conhecido através da experiência ou da observação. Uma implicação importante deste entendimento é que a evidência pode ser utilizada para apoiar uma conclusão, mas não é a mesma coisa que uma conclusão. A evidência por si não faz a decisão (OMS, 2013).

Também segundo a OMS, os critérios de evidência da Medicina Tradicional informam sempre as opiniões dos especialistas, e a utilização adequada dessa evidência requer a identificação dos factos (experiência ou observações) que constituem a base das opiniões. É também necessária uma avaliação da extensão da medida em que os factos apoiam as conclusões. A OMS também diz que nem todas as provas são igualmente convincentes, e abre a porta aos juízos sobre quanta confiança pode ser depositada em diferentes tipos de provas resultantes de estatísticas e de análise de cientistas que ignoram o paradigma da MTC.

Assim, é importante que os investigadores e os profissionais de MTC unam esforços para estabelecer linhas directoras de evidência científica de MTC baseadas no contexto clínico e dentro do paradigma de investigação da MTC. Com excepções, a investigação não deve dar prioridade aos grandes Ensaios Clínicos Randomizados (RCT), de aplicação difícil à MTC, por esta ser demasiadamente holística e centrada na pessoa para se enquadrar bem nesse método de investigação. Os RCT também conduzem a um tipo de resultados gerais e abstractos cuja aplicação, frequentemente, não se aconselha pela dificuldade em se adaptarem às especificidades inerentes à prática clínica real.

5.2. Tipos de evidência na MTC

Podemos dizer que existem quatro tipos principais de evidência com o mesmo nível de interesse e importância clínica na MTC, todos relacionadas com o seu contexto sócio-cultural e processo de pensamento:

1. A evidência histórica, relacionada com as teorias e conceitos de MTC utilizados por centenas de gerações. De acordo com o Relatório Global da OMS sobre Medicina Tradicional e Complementar (2019), existem 98 Estados membros com uma política nacional para as Medicinas Tradicionais e 75 com um Instituto Nacional de Investigação dedicado a estas Medicinas. A MTC está a ser utilizada em 100 países. Actualmente, há um número crescente de investigação sobre as bases teóricas, o diagnóstico, as terapêuticas da MTC e a sua aplicação nos tempos modernos;

2. As evidências tradicionais referem-se a evidências documentais relacionadas com a utilização de uma substância medicinal, ou uma terapia de MTC durante três ou mais gerações para um fim específico relacionado com a saúde ou com a medicina. Actualmente, existem processos de investigação que visam estabelecer as principais directrizes sobre as evidências necessárias para apoiar as indicações das medicinas complementares reconhecidas, incluindo a MTC (Governo australiano, 2019);

3. A evidência social refere-se à satisfação comprovada e à procura de MTC no mundo, no passado e no presente. O último Relatório Global da OMS (citado acima, 2019) assinala que 88% dos membros da OMS utilizam Medicamentos Tradicionais, incluindo MTC. No domínio da saúde pública existem também diferentes tipos de investigação envolvendo factores jurídicos, sociais e económicos sobre como e de que forma a MTC contribui para a prevenção de doenças e o desenvolvimento da saúde humana, bem como para o desenvolvimento social e económico em diferentes países;

4. O último tipo de provas está relacionado com a literatura de investigação clínica de MTC e refere-se à eficácia de uma intervenção para alcançar um resultado que criará mudanças duradouras na saúde da população. Estas provas são geralmente publicadas na literatura científica, como em revistas profissionais, livros, ou relatórios governamentais. Actualmente, há um número crescente de investigações para estabelecer as directrizes de investigação em diferentes disciplinas da MTC – Acupunctura, Fitoterapia e Terapêutica de Chi Kung e Tai Chi entre outras (Extensão SPIRIT-TCM 2018), por vezes de acordo com o contexto e a prática da medicina baseada na evidência, sozinha ou em comparação com os tratamentos da medicina ocidental, ou integrada com outras abordagens, como é indicado pelas directrizes da OMS sobre a evidência da MTC (OMS, 2000).

Para a MTC as ciências humanas e naturais modernas, como a vida moderna em geral, constituem um desafio contínuo à inovação, à compreensão dos novos métodos de investigação, às novas descobertas científicas e às novas tecnologias, de acordo com a sua influência na saúde funcional humana e na vida natural, e operando com ela, tanto quanto possível, dentro do sistema teórico e da forma de pensar da MTC.

Para a ciência moderna, tem sido uma surpresa ver os diferentes tipos de confirmação das antigas teorias da MTC, bem como um desafio para criar a sua própria forma de compreender a sua exactidão e consistência, em diferentes domínios da prevenção e terapêutica da saúde.

Bibliografia

  1. Australian Government-Department of Health-Therapeutic goods administration (2019) Evidence guidelines-Guidelines on the evidence required to support indications for listed complementary medicines. TAG Health Safety regulation .Version 3.0, January 2019 Copyright Officer, Therapeutic Goods Administration, PO Box 100, Woden ACT 2606 or emailed to <tga.copyright@tga.gov.au.
  2. American College of Cardiology/American Heart Association Task Force (2016) Further Evolution of the ACC/AHA Clinical Practice Guideline Recommendation Classification System – A Report of the American College of Cardiology/American Heart Association Task Force on Clinical Practice Guidelines. Circulation. 2016;133:1426- 1428. DOI: 10.1161/CIR.0000000000000312.
  3. Bloom, M, Fischer, J. & Orme, J. (2009) Evidence-Based inEvaluating practice: Guidelines for the accountable professional(6th Ed.). Boston: Allyn and Bacon.- chap. 21. ISBN-13: 978-0205612017
  4. Borgerson, Kirstin (2005) Evidence-Based Alternative Medicine?Perspectives in Biology and Medicine, Volume 48, 4,Autumm,2005, pp 502-515. Published by Johns Hopkins University Press DOI: 10.1353/pbm.2005.0084
  5. Cochrane, Archie L. (1971) Effectiveness and Efficiency: Random reflections on Health Services, Nuffield Trust. Rock Carling Fellowship. London.https://www.nuffieldtrust.org.uk/files/2017- 01/effectiveness-and-efficiency-web-final.pdf.
  6. Connerade J-P (2019) – Knowledge & Society through Science Matters and Universities group discussions. Cascais, Portugal.
  7. Council for Public Health and Society (2017) No evidence without context. About the illusion of evidence-based practice in healthcare. The Hague, June 2017. ISBN: 987-90-5732-267-9
  8. Dai Liang et al. (2018) Standard Protocol Items for Clinical Trials with Traditional Chinese Medicine 2018: Recommendations, Explanation and Elaboration (SPIRIT-TCM Extension 2018) in Chinese Journal of Integrative Medicine. DOI: 10.1007/s11655-018-2999-x
  9. Ebell et al (2014) How good is the evidence to support primary carepractice? BMJ 2014;348:g3725 doi: 10.1136/bmj.g3725
  10. Evidence-Based Medicine Working Group (1992) Evidence-Based Medicine – A New Approach to Teaching the Practice of Medicine.JAMA,November,1992. https://www.cebma.org/wp-content/uploads/EBM-A-New-Approach- to-Teaching-the-Practice-of-Medicine.pdf
  11. Foon Yin Fung and Yeh Ching Linn (2015) Developing Traditional Chinese Medicine in the Era of Evidence-Based Medicine: Current Evidences and Challenges in Evidence-Based Complementary and Alternative Medicine, vol. 2015. https://dx.doi.org/10.1155/2015/425037
  12. Garrow, J. (2007) How much of orthodox medicine is evidence based? BMJ Letter 10 November volume 335. https://www.bmj.com/content/335/7627/951.2.full
  13. Hao Chen et al (2017) The evidence system of traditional Chinese medicine based on the Grades of Recommendations Assessment, Development and Evaluation framework in Annals of Translational Medicine, n. 5 (21): 435. DOI: 10.21037/atm.2017.06.43
  14. Li Jinnong et al. (2014) The quality of reports of randomized clinical trials on traditional Chinese medicine treatments: a systematic review of articles indexed in the China National Knowledge Infrastructure database from 2005 to 2012. BMC Complementary and Alternative Medicine 2014, 14:362 https://www.biomedcentral.com/1472-6882/14/362
  15. Juan Wang et al (2016) Current Status of Standardization of Traditional Chinese Medicine in China in Evidence-Based Complementary and Alternative Medicine, vol. 2016.6.https://dx.doi.org/10.1155/2016/9123103.
  16. Junchao Chen et al (2017) The Characteristics of TCM ClinicalTrials: A Systematic Review of ClinicalTrials.gov. https://doi.org/10.1155/2017/9461415.
  17. McCaughey and Bruning (2010) Rationality versus reality: the challenges of evidence-based decision making for health policy makers Implementation Science 2010, 5:39 doi: 10.1186/1748-5908- 5-39
  18. Sackett, D. (1996) Evidence based medicine: what it is and what it isn’t. BMJ. https://www.bmj.com/content/312/7023/71.full
  19. Zhang et al (2018) Evidence-based Chinese medicine: theory and practice. PubMed – NCBI (Abstract) Jan;43(1):17. doi: 10.19540/j.cnki.cjcmm. 20171127.001
  20. Wang Qi and Dong Zhi Lin (1992) New Practical Syndrome Differentiation of TCM. TCM Material for Advanced Training Courses. China Ocean Press. HongKong.. ISBN 7-5027-1880-x/R.26
  21. WHO (2000) General Guidelines for Methodologies on Research and Evaluation of Traditional Medicine. WHO/EDM/TRM/2000.1 https://www.who.int/activities/implementation-of-the-WHO- traditional-medicine-strategy-2014-2023

Evidence special research in:

Acupuncture

1. McDonald, J. & Janz, S. (2017) The Acupuncture Evidence Project – A Comparative Literature Review. Brisbane: AACMA. Commissioned by
Australian Acupuncture and Chinese Medicine Association Ltd, 2017: https://www.acupuncture.org.au.

2. Birch, S. et al (2018) Overview of Treatment Guidelines and Clinical Practical Guidelines That Recommend the Use of Acupuncture: A Bibliometric Analysis, JACM. https://www.liebertpub.com/doi/10.1089/acm.2018.0092.

Herbal Medicine

1. McClure, L. et al. (2016) Scoping the Evidence for the Effectiveness of Herbal Medicines – a Selective Review on the behalf of the European Herbal Januay to November 2013. European Herbal Medicines Professional Associations. EHTPA. https://rchm.co.uk/resources/Scoping_the_Evidence_Base_for_Herbal _Medicines.pdf

Tai Chi and Chi Kung Therapeutics

1. Solloway MR et al (2016) An evidence map of the effect of Tai Chi on health outcomes. Systematic Reviews (2016) 5:126 DOI 10.1186/s13643-016-0300-y

 

Ana Maria Varela is a professional clinic specialist of TCM and Teacher in ESMTC, since 1998 with a Master in Traditional Chinese Medicine Clinics (Herbal Medicine) and TCM bachelor degree by Nanjing University of Medicine. It has also an experience of western scientific knowledge with a PhD in Exercise and Health from UTL / FMH; a Post-graduation on Epidemiology and Statistical Multifactorial Analyse by the FML/ UL and 18 years of Teaching different subjects in the Faculty of Human Movement at FMH/UTL. Since 2001 has been in the Direction Border of the Professional Association of Acupuncture and TCM (APAMTC). Email: anaesmtc@gmail.com

José Manuel Faro obtained the bachelor’s degree in Philosophy in 1978 in the University of Lisbon; in 1986 the Acupuncture and Natural Medicine Diploma at the Lisbon Naturist Medical Institute; in 1991 Professional Post-Graduation in Education; in 2006 the PhD in Acupuncture, Moxibustion and Tui Na at Nanjing University of Chinese Medicine, (Popular Republic China).

Since 1992 has been co-director, administrator, lecturer and clinical practitioner at Lisbon School of Traditional Chinese Medicine (ESMTC). In 2001 has been co-Founder of the Professional Association of Acupuncture and TCM (APAMTC) and President of APAMTC Board of Directors – 2001/2004, 2004/2007, 2007/2010, 2010/2013, 2013/2016, 2016/2019.

From 2005 to 2008 and from 2014 to 2018 he was nominated as TCM representative at the Consulting Board for the regulation of Non- Conventional Therapeutics – Portuguese Ministry of Health. Since 2014 he is the President of the General Assembly of the Portuguese Federation of Medical Tai Ji and Qi Gong, and since 2016 Vice-president of the Preventative Medicine Committee of WFCMS – World Federation of Chinese Medicine Societies. Email: deolindajose0@gmail.com

Autores:

Prof. Doutora Ana Varela e Prof. Dr. José Manuel Faro, 2020 in Burguete et al. (2020) “Knowledge & Society Through Science Matters & Universities”, Lisboa: Science Matter Press, pp. 211-232.

Este artigo encontra-se em versão inglesa na publicação “Knowledge & Society Through Science Matters & Universities” que se encontra à venda em: https://www.amazon.co.uk/dp/B087LXPSQG/ref=cm_sw_em_r_mt_dp_U_z.QPEbK80S9VG

O Outono e o Metal


O Outono e o Metal. No Outono as folhas secam e caem, os últimos frutos são colhidos, as castanhas e sementes vão para os celeiros garantir as refeições do Inverno; muitas ficarão na terra, esperando a Primavera para brotar de novo. Neste sector a energia vital é descendente, pesada. O ciclo que mostra crescimento na Primavera e exuberância no Verão revela agora a maturidade e encaminha-se para o fim.

É o momento do crepúsculo, quando o sol se põe e a vida diurna se recolhe.

Metal, em nós, representa a eterna colheita. A função dos pulmões e do intestino grosso é assimilar o essencial e descartar o inútil. Sem ar não podemos viver, e sem esvaziar o intestino também não. Essas atividades dão ordem e ritmo a todas as outras. Harmonizando as tensões e nos deixando brilhantes como cristais.

Na visão simbólica chinesa, os pulmões cuidam do tesouro sem o qual o coração não reina e a estratégia do fígado não é executada.

Tudo o que consideramos precioso em termos materiais é Metal: ouro, ferro, cobre, chumbo, diamantes, urânio, quartzo, petróleo. Agentes de riqueza e poder, componentes de todo o tipo de indústria leve ou pesada: Metal.

O Metal refaz-se facilmente em contacto com as montanhas, as pedras de onde brota água, as cascatas, as grutas… É comum encontrar colecionadores de pedras, cristais ou rochas, e pessoas que precisam usar uma jóia para se sentirem bem.

Aquelas folhas que nasceram na Primavera e atingiram o auge no Verão caem, as árvores ficam nuas.

O impulso criativo está longe, o período de plenitude passou. Agora é a colheita, o armazenamento, e a capacidade de realização do ser humano exprime-se no sentido da tranquilidade, da paz, serena certeza de que somente aceitando as perdas haverá renovação.

 

Os conselhos do Livro do Imperador Amarelo: “As pessoas devem deitar-se cedo e levantar-se cedo, com o cantar do galo. Devem ter o espírito em paz, a fim de minimizarem a punição do Outono. Alma e espírito devem unir-se para que a exalação do Outono seja tranquila, e para conservarem os seus pulmões puros as pessoas não devem dar expansão aos seus desejos”.

O sabor picante já está no ar, o que sugere reduzir o picante, aumentar o ácido para proteger a Madeira, aumentar o amargo para temperar o Metal e nutrir a Terra, e comer um pouquinho de alimentos frescos, preparando o corpo para o Inverno que virá.

Cuidado para não abusar do sabor picante, o sabor do Metal, em forma de temperos fortes, que se vão reflectir no fígado e em todas as suas ressonâncias, tais como o humor, os músculos e as articulações, já que o Metal corta Madeira. Certamente a natureza mais pesada de Metal faz procurar a leveza complementar; muitas pessoas bebem para estimular a expansividade e a imaginação (Madeira). Olhando em detalhe, esse excesso pode prejudicar gravemente os rins, que são nutridos por Metal, facilitando então a entrada de pensamentos obsessivos vindos de Terra em desequilíbrio (porque no corpo álcool é igual a açúcar), e afectar todo o sistema de Fogo, pela via perversa Metal – Fogo.

Metal precisa de raízes como cenoura, nabo, rábano, dos sabores picantes dos temperos e do alho, da cebola, do gengibre fresco, aipo, em pequenas quantidades, e dos caldos temperados com miso para limpar os pulmões e beneficiar a flora intestinal; chá verde é bom para harmonizar o intestino. O seu cereal, o arroz, de preferência integral, porque tem fibras que ajudam a limpar os intestinos. Quase não gosta de açúcar, laticínios, pimentas e farinhas (massas, biscoitos, pães, bolos). O seu adoçante é o mel de abelhas, que é doce e picante, ajuda a fluidificar o muco das vias respiratórias e a descarregar os intestinos; pode ser usado com iogurte – ambos em pequena quantidade – em benefício de Metal, Terra e Madeira.

E, por favor, lembrem-se de beber água, sim?

Metal é seco.

Feliz Lua Cheia, feliz Outono!

 

Autor: Juvenal Branco, ESMTC

Masterclasses Chi Kung


Apresentamos as 5 Masterclasses de Chi Kung com temas dedicados às crianças, ao cancro, à saúde mental, às mulheres e aos mais crescidos.
Quartas-Feiras às 20:30 com início dia 8 de Setembro 2021.

Glossário de Fitoterapia – as Propriedades das Plantas


Se não souber o que significam certos termos das propriedades das plantas, este GLOSSÁRIO vai ajudar muito. Consulte-o.

 

Adstringente, que aperta e contrai os tecidos: avenca, agrimónia, pé-de-leão, medronheiro, loureiro-de-Sto. António, eufásia, morangueiro, hera-terrestre, nogueira, salicária, tormentilha, carvalho-alvar, sarça.

Analgésico, que acalma a dor: salsa, bolsa-de-pastor, absíntio, artemísia, maravilha, macela.

Antidiarreico, que combate e corta a diarreia: alho-comum, salicária, tormentilha, salsa, arandanol.

Antiespasmódico, que acalma os espasmos: mil-em-rama, erva-Luísa, macela-romana, alcaravia, macela, hortelã-pimenta, sálvia.

Antihelmíntico, sinónimo de vermífugo, que actua contra as lombrigas intestinais: cebola, alho-comum, absíntio, nigela, artemísia, serpão, tomilho.

Antipirético, que combate a febre: carlina, angélica, ulmária, salgueiro-branco, sabugueiro, azevinho.

Aperitivo, que abre e aumenta o apetite: absíntio, centáurea-menor, genciana, trevo-d’água, mil-em-rama, angélica, artemísia, alcaravia, hortelã-pimenta.

Bacteriostático, que impede que as bactérias se desenvolvam: carlina, angélica, líquen-da-islândia, velosilha, mastruço, capuchinha.

Béquico ou antitússico, que acalma a tosse: belcho, malva, drósera, hera-terrestre, hera, verbasco, violeta, serpão, tomilho, tussilagem.

Biocatalizador, corpo cuja presença acelera as reacções vitais (fermentos, hormonas, vitaminas, oligoelementos): cenoura, alface, malva, alfafa, agrião, salsa, groselheira-negra, roseira-silvestre, tomate, espinafre, alfova.

Cardiotónico, que tonifica o coração: cebola, alho-comum, goiveiro-amarelo (aleli), espinheiro, aveia, pulsatila, convalária, loendro, nenúfar-branco, cebola-albarrã.

Carminativo, que previne a formação de gases no tubo-digestivo ou provoca a expulsão dos mesmos: mil-em-rama, reva-Luísa, alcaravia, funcho, macela, hortelã-pimenta, anis, valeriana.

Cicatrizante, que promove a formação de uma cicatriz: consolda, linho, arnica, chorão.

Colagogo, que activa a saída da bílis contida na vesícula Biliar: agraço, agrimónia, centáurea-menor, chicória, cardo-santo, alcachofra, cardo-burriqueiro, artemísia.

Coletérico, que activa a produção de bílis: absíntio, dente-de-leão, maravilha, marroio, hortelã-pimenta.

Cutâneo, da pele, por exemplo, afecção cutânea: linho, bétula, arnica, maravilha, macela, sálvia.

Depurativo, que purifica o organismo: dulcamara, abrunheiro, espinheiro-cerval, nogueira, bétula, mercuriais, vara-de-ouro, amor-perfeito, angélica, bardana-maior, helénia, sálvia, gramão, urtiga-menor.

Diaforético, que faz transpirar: urtiga-morta, sabugueiro, primavera, verbasco, amor-perfeito, macela, tília, pulmonária-manchada.

Diurético, que activa a eliminação da urina: cerefólio, urze, bolsa-de-pastor, cavalinha-maior, espinheiro-amarelo, urtiga-morta, argentina, arruda, sabugueiro, cebola-albarrã.

Emenagogo, que regulariza e facilita os períodos menstruais: as plantas com essências.

Emético, que provoca o vómito: as plantas amargas tornam-se eméticas quando se força a dose.

Emoliente, que diminui a inflamação dos tecidos irritados: linho, malvaísco, borragem, tanchagem, zaragatoa, roseira-castelhana, tussilagem.

Espasmolítico, que combate os espasmos: absíntio, macela-romana, artemísia, maravilha, alcaravia, macela, hortelã-pimenta, sálvia.

Estimulante, que excita e aumenta temporariamente a actividade nervosa ou muscular: pimento, tabaco, visco, agrião, salsa, groselha-negra, roseira-silvestre, alfavaca, alecrim.

Autora: Ana Rita Lopes, Especialista de Medicina Tradicional Chinesa e equipa ESMTC (2021)

Compor uma fórmula de Fitoterapia


Cada planta tem uma função própria

A construção de uma fórmula na Fitoterapia obedece a uma hierarquia, onde cada planta tem uma função própria.

A prática da Medicina Chinesa consiste na teoria, estratégia, fórmulas e substâncias usadas. Uma fórmula é feita através da configuração particular de cada substância e a sua aplicação é ditada segundo os princípios de organização da estratégia do tratamento.

A fórmula escolhida deve ser coerente com a estratégia do tratamento. Se não o for, as condições do paciente não melhoram ou podem piorar.

As fórmulas da Medicina Chinesa não são meras colecções de substâncias medicinais em que a acção de uma planta é simplesmente adicionada a outras. As fórmulas são compostas de substâncias que se interrelacionam, tendo cada substância uma acção que afecta as acções das outras substâncias da fórmula.

É esta complexa interacção que torna uma fórmula tão efectiva, mas também as torna mais difíceis de estudar.

Cada substância medicinal tem uma determinada acção, uma determinada força e as suas fraquezas.

Uma fórmula efectiva é aquela em que as substâncias são cuidadosamente equilibradas para acentuar as forças (acções) e reduzir os efeitos colaterais. A combinação de substâncias numa fórmula cria um agente terapêutico novo, capaz de tratar mais efectiva e completamente que uma simples substância.

Para se compreender como as substâncias interagem umas com as outras, é preciso compreender as acções e as características de cada substância. É necessário ficar familiarizado com determinadas combinações, as quais são como os alicerces das fórmulas.

Construir uma fórmula efectiva é mais do que juntar as substâncias médicas. É preciso conhecer e seguir um princípio de construção, para que os ingredientes fiquem combinados de uma forma equilibrada e efectiva. Esta construção, esta forma de combinar as fórmulas, é conhecida por Hierarquia.

 

A Hierarquia numa Fórmula de Fitoterapia

Na sociedade Chinesa antiga havia uma consciência muito forte das classes sociais ou, mais precisamente, dos postos militares, em que o Imperador e a sua corte eram o principal, o topo. Por essa razão os termos usados para classificar as substâncias numa fórmula são baseados nesta ordem da corte. Os 4 “postos”, ou seja, as 4 nomenclaturas dadas são: Imperador (Jun), Ministro (Chen), Assistente (Zuo) e Mensageiro (Shi).

Imperadora (Monarca, chefe, rei, principal, governador) é toda a substância que tem o efeito mais forte e que actua directamente contra a síndrome principal ou doença. Esta substância é absolutamente indispensável numa fórmula.

Ministra (Deputado, ajudante, associado) refere-se a duas funções diferentes: a) Ajuda a planta Imperadora a tratar a síndrome principal ou doença. b) Actua como a substância principal directamente contra um síndrome coexistente ou doença.

Assistente (Ajudante) refere-se a 3 funções: i)  Reforça os efeitos da substância Imperadora ou Ministra, ou trata directamente um aspecto menos importante da síndrome ou doença. Nesta capacidade é conhecida como Assistente útil (zuo zhu); ii) Modera ou elimina a toxicidade da Imperadora ou Ministra, ou modera as suas propriedades ásperas. Nesta forma é conhecida como Assistente correctiva (zuo zhi) e iii) Tem um efeito oposto à Imperadora e é usada em doenças sérias e complexas. Nesta forma é conhecida como Assistente oposta (zho fan)

Mensageira (enviado, guia, condutor) refere-se a 2 funções diferentes: a) Foca as acções da fórmula num determinado canal ou meridiano ou numa determinada área do corpo e b) Harmoniza e integra as acções das outras substâncias

Nem todas as fórmulas têm a hierarquia completa. É até mesmo difícil encontrar uma fórmula que contenha os vários tipos de Ministros, Assistentes e Mensageiros. Algumas fórmulas consistem numa Imperadora e numa ou duas Ministras. Se as Imperadoras e Ministras não forem tóxicas, não haverá necessidade de existirem substâncias Assistentes correctivas. Às vezes a Imperadora foca-se no nível e local da doença, não necessitando de uma substância Mensageira.

Autora: Ana Rita Lopes e equipa ESMTC (2021)

 

Evento – Verão com Chi Kung


Toda a comunidade está convidada

Visite-nos!

Inscreva-se no formulário em abaixo

Horário do evento APCKTT:

  • 9h – Feira das Diversidades – “A pensar no seu bem estar”
  • 10h-12h – Chi Kung Terapêutico – “Fortalecer o coração para a expansão consciente”
  • 12h10-13h – Chi Kung Marcial – “Libertar a euforia e a ansiedade”
  • 15h-15h30 – Dinâmica – “Abrir novos caminhos”
  • 16h30-17h20 – “Dança das emoções”

Entrada no evento tem um custo de 2€ – Lugares limitados reserve a sua vaga

    Nome

    E-mail

    O Qi ou energia


    A expressão Qi usa-se para denominar as substâncias essenciais que mantêm a vitalidade do corpo. São vários os tipos de Qi ou energia que existem. Conheça-os neste artigo

    Na filosofia tradicional chinesa é a substância fundamental que constitui o universo e todos os fenómenos são criados por alteração dos movimentos do Qi ou energia. Este protege-nos da doença e mantém o nosso corpo quente. O Qi é yang e o sangue é yin e é ele que cria todos os nossos movimentos. Protege-nos dos agentes patogénicos externos e exerce uma actividade de controlo e transformação.

    A expressão Qi usa-se para denominar as substâncias essenciais que mantêm a vitalidade do corpo.

    O Qi é único mas as suas representações são múltiplas e, na prática, podemos associar-lhe um qualificativo que determinará a sua localização e função.

    Podemos classificá-lo de acordo com a sua origem, função e distribuição. De acordo com a origem conhecem-se dois tipos:

    • O Qi ou energia, congénito ou pré natal.
    • O Qi ou energia, adquirido ou pós natal.

    Cada um deles depende do outro para a sua produção e manutenção. O Qi congénito é herdado dos pais e actua com força essencial para manter as actividades da vida.

    O Qi ou energia pós natal apresenta 4 tipos:

    Yuan Qi

    Formado pelo Qi pré natal e posteriormente pelo Qi adquirido com a alimentação depois do nascimento. O Yuan Qi situa-se na região chamada Ming Men ou porta da vida, na parte posterior do tronco à altura dos rins (entre a 2ª e a 3ª lombares) sendo transportado por todo corpo pelo triplo aquecedor .

    Quando este Qi é abundante os órgãos internos e o tecido do corpo funcionam normalmente, o corpo humano poderá manter a saúde e raramente sofrerá doenças. Por outro lado, uma enfermidade prolongada debilitará o Yuan Qi provocando alterações fisiológicas no corpo.

    Ying Qi ou Qi nutritivo

    É Qi ou energia, que se obtém dos alimentos, circula pelos meridianos do corpo e a sua função é a formação de sangue e fluidos essenciais.

     

    Zong Qi ou Qi peitoral

    Forma-se pela combinação do ar inalado pelos pulmões e pelo Qi nutritivo proveniente do estômago e do baço. Este deposita-se nos pulmões e tem como funções controlar a respiração, regular a voz e assistir o coração na sua função de controlar os canais sanguíneos.

     

    Wei Qi ou Qi defensivo

    Deriva do Qi nutritivo, circula fora dos meridianos e a sua função consiste em proteger a superfície muscular, controlar o abrir e o fechar dos poros e manter a humidade da pele e do cabelo. Como o seu nome indica defende o corpo dos factores externos patogénicos tais como o vento, humidade, calor, etc.

    Os órgãos internos e os meridianos têm também o seu próprio tipo de Qi que se origina do Yuan Qi, Ying Qi, Zong Qi. O Qi deve circular por todo corpo e o seu movimento mudar de polaridade.

     

    O exercício para o cultivo do Qi chama-se chikung.

    Esta “ginástica energética” milenar está baseada na ideia de que o Qi pode ser influenciado pela respiração, pelo movimento e pela mente.

    O Qi é controlado pelo DanTien médio que se encontra situado no centro do peito.

     

     

     

     

    A teoria médica chinesa estabelece que o Qi depende da respiração para a sua circulação.

    Autor

    Deolinda Fernandes, ESMTC. (Especialista de Medicina Tradicional Chinesa).

    Esvaziar a taça


    Depois de ter percorrido a Índia, Bodhidharma foi à China e instalou-se numa região onde vivia um sábio cuja reputação e sabedoria haviam seduzido todos os seus habitantes e mais além. O seu saber era tão vasto…

    O Cravo em MTC


    O cravo é símbolo do Dia das Mães e o cravo vermelho é, em Portugal, símbolo da Liberdade e da Revolução de 25 Abril de 1974. As suas flores são cultivadas há mais de 2.000 anos. Os cravos são comestíveis e maravilhosos em chás e infusões, comumente são usados em infusões para ajudar a aliviar o stress, a depressão e o nervosismo. São também populares no tratamento de infecções do tracto urinário.

    O que é

    Propriedades

    Como se utiliza

    Modo e quantidade de administração

    Como se conserva

    Classificação na Medicina Tradicional Chinesa

    Meridianos onde actua

    Nome botânico

    Nomes vulgares

    Precauções e contra-indicações

    #O que é

    O nome latino, Dianthus, deriva da língua grega, que significa “flores dos deuses”. O termo latino “carnatio” vem de carne e o “Caryophyllus” significa cravo, referindo-se ao perfume de flores de cravo. A espécie selvagem original tem pétalas esfarrapadas, dando origem a outro de seus nomes comuns, que também é a raiz do nome, “tesoura de picotar” ou tesoura.

    Os cravos simbolizam afeto, saúde, energia e a pureza do amor de uma mãe. Tradicionalmente, eles eram dados nos Aniversários de casamento, usados em casamentos e dados no Dia das Mães. Os cristãos dizem que o cravo rosa brotou das lágrimas da Virgem Maria e, portanto, representa o amor eterno de uma mãe por seu filho. Na China antiga, o chá de flor de cravo era amplamente usado para acalmar e relaxar o corpo e o espírito, bem como revigorar o Qi ou a força vital do corpo. São usados na China para ajudar a expulsar vermes. Os chineses geralmente usam a parte aérea da planta crua quando usam o cravo como remédio.

    #Propriedades

    Antiespasmódico, Estimulante, Anti-inflamatório, Relaxante, Hemagogo, Febrífugo, Diurético, Diaforético.

    #Como se utiliza

    As partes mais utilizadas: flores, pétalas, raízes, folhas.

    Modo e quantidade de administração

    O cravo está disponível em pílula, pó ou decocção. Algumas ervanárias também vendem extractos concentrados de cravo. As sementes de cravo também podem ser adquiridas em viveiros e cultivadas no jardim, mas devem ser usadas apenas para fins ornamentais. A dosagem típica é de 3-10 g por dia, tomada como decocção, pílula ou pó. Alguns especialistas recomendam uma dose um pouco mais alta (6-12 gramas).

    #Como se conserva

    A planta é usada fresca e seca. Conserva-se secando, num local escuro e seco.

    #Classificação na Medicina Tradicional Chinesa

    É de natureza fria. O sabor é amargo.

    #Meridianos onde actua

    Bexiga, Coração, Intestino Delgado

    Drena a Humidade Calor. Promove a Micção. Remove a Estase: disfunção urinária, especialmente disfunção urinária dolorosa com sangue quando há envolvimento de calor. Remove a Estase de Sangue: usada como erva auxiliar para amenorreia devido a estase de sangue. Desbloqueia os intestinos (obstipação).

    #Nome vulgar

    Cravo (Qu Mai)

    #Nome botânico

    Ocidente – Dianthus caryophyllus. Oriente – Dianthus chinesis, D. superbu.

    #Precauções e contra-indicações

    A sua toma em excesso pode provocar contracções uterinas, por isso é desaconselhável em grávidas e lactantes.

    Fontes

    Whiterabbit Institute of Healing.com,  Carnation

     

    Autoria

    Equipa ESMTC 2021

    Raiva – a Emoção do Elemento Madeira


    O Fígado pertence ao Elemento Madeira cuja estação é a Primavera. É na Primavera que as flores nascem, que a vida, lentamente, começa a brotar do seu hibernamento. A raiva entendida como impulso para a acção é a força motriz da criação da vida. A iniciativa e o dinamismo realizador permitem-nos ultrapassar os obstáculos que encontramos no decurso da nossa existência.